A TEMPESTADE PERFEITA PARA A ANOMIA SOCIAL: REFLEXÕES SOBRE AS AÇÕES GOVERNAMENTAIS EM RELAÇÃO À SOCIEDADE DO TRABALHO NO PERÍODO PANDÊMICO

Autores

  • Maurilio José Batista
  • Priscila Freire Martins Rosa

Palavras-chave:

Tempestade Perfeita. Anomia Social. Ações Governamentais. Sociedade do Trabalho. Pandemia por Covid-19.

Resumo

O termo “tempestade perfeita” é empregado para representar uma combinação rara
e improvável de circunstâncias que podem causar um verdadeiro desastre no
ambiente em que ocorrem. Dessa forma, esta pesquisa associa o termo em questão
à anomia social, o que significa que uma combinação de fatores: pandemia por
Covid-19 e ações governamentais relacionadas à sociedade do trabalho neste
período, podem ameaçar a coesão social e com isso tornar indivíduos e sociedade
anômicos. Diante disso, esta pesquisa tem por objetivo refletir sobre como as ações
governamentais tomadas em relação à sociedade do trabalho no período pandêmico
serviram como “tempestade perfeita” para a anomia social. Por essa razão,
considerando o caráter metodológico, esta pesquisa se enquadra no método
interpretativista, qualitativa, exploratória, bibliográfica e de corte transversal. Os
achados demonstram que as ações governamentais tomadas no enfrentamento da
pandemia por Covid-19 em relação à sociedade do trabalho são insuficientes para
garantir a coesão social, isso significa que a anomia social acontece e estremece a
relação entre indivíduo e sociedade. Além disso, verifica-se que as medidas
impostas pelo governo estão na contramão das adotadas em outros países, sendo
consideradas ineficazes para concretizar o dever do Estado no atendimento das
necessidades da população trabalhadora, elevando ainda mais as desigualdades
sociais e ferindo o direito à vida e à saúde.

Downloads

Publicado

01-11-2021

Como Citar

Batista, M. J., & Freire Martins Rosa, P. (2021). A TEMPESTADE PERFEITA PARA A ANOMIA SOCIAL: REFLEXÕES SOBRE AS AÇÕES GOVERNAMENTAIS EM RELAÇÃO À SOCIEDADE DO TRABALHO NO PERÍODO PANDÊMICO. Revista Unifamma, 20(1). Recuperado de http://revista.famma.br/index.php/ru/article/view/129